Copiar Link
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Facebook

Veja os tipos e como realizar uma Análise Financeira!

Vamos compartilhar dicas sobre como realizar uma completa análise econômica e financeira empresarial, abordando dos aspectos mais simples at...

Por Equipe iFood Benefícios

Por muito tempo, realizar a análise financeira pessoal ou empresarial foi uma tarefa temida até mesmo pelos melhores profissionais da área. 

Afinal, no Brasil, o tema nunca foi tratado com a devida relevância, ficando sempre bem longe das salas de aula e conteúdos didáticos, além de ser uma atividade pouco realizada no cotidiano.

Segundo pesquisa publicada no G1, o Brasil está na 74ª posição do ranking que mede os níveis de educação financeira ao redor do globo. 

Por aqui, dois em cada três cidadãos não sabem responder perguntas básicas sobre o seu orçamento e planejamento mensal, o que leva a um acúmulo de dívidas e ao fechamento precoce de muitas companhias por falência.

Com base nesses números, fica claro que quem deseja empreender ou ver a empresa na qual trabalha crescer dentro do mercado precisa investir em conhecimento sobre esse tema. 

Apenas desse modo é possível aprender a realizar uma administração correta, eficaz e efetiva dos gastos e lucros da companhia.

Pensando nisso, neste artigo vamos compartilhar dicas sobre como realizar uma completa análise econômica e financeira empresarial, abordando desde os aspectos mais simples até os indicadores necessários para o sucesso dessa operação. 

Continue acompanhando e descubra tudo sobre esse tema!

Índice:

O que é e como funciona uma Análise Financeira?

Uma calculadora em cima de várias papeis com planilhas e gráficos
A análise financeira permite que aos diretores perceberam o desenvolvimento da organização e planejarem os próximos caminhos.  

Chamamos de análise financeira toda a operação realizada com o objetivo de entender e descobrir novos indicativos sobre a situação orçamentária de uma organização. Através dela, realiza-se uma pesquisa interna em todos os setores, estoques e pontos de retenção monetária, com o objetivo de saber em detalhes como estão as finanças da companhia.

Quando é realizada a análise da situação financeira da corporação, pode-se entender com mais exatidão a porcentagem de gastos e lucros dentro do dia a dia empresarial. 

Além disso, valores de capital parado e em rotação também são calculados, proporcionando uma visão exata da questão monetária dessa empresa.

Nesse cenário, os gestores e a direção conseguem entender quais são os pontos que merecem um maior direcionamento de esforços e investimentos, bem como os gaps que estão causando grandes perdas. 

Desse modo, a instituição passa a se tornar mais rentável, trabalhando de modo a minimizar desperdícios e a otimizar toda a sua operação.

Ademais, os indicadores de estrutura também são sinalizadores importantes sobre o momento correto de investir ou reter capital dentro da companhia. Por meio deles, os acionistas se tornam mais cientes da representatividade da empresa dentro do mercado. 

Assim, podem realizar um bom planejamento anual, visando o constante crescimento e multiplicação da lucratividade da empresa.

Tipos de Análise Financeira

Dentro da análise de indicadores financeiros existem algumas subcategorias. Confira a seguir mais detalhadamente sobre cada uma delas.

Análise Vertical

A análise vertical, também chamada de análise de estrutura, verifica a participação percentual do demonstrativo econômico da companhia. Como o próprio nome indica, pode ser realizada de baixo para cima ou de cima para baixo, fornecendo resultados em forma de cascata.

Dessa forma, temos uma análise do “todo” com uma parte do “todo”. Por exemplo: a companhia identificou que 50% da sua receita veio através de campanhas de mídia paga. Isso identifica uma parte da origem da receita da organização.

Análise Horizontal

Já a análise horizontal é realizada com base em uma linha do tempo, fazendo comparações entre valores antigos e atuais. Desse modo, torna-se mais simples ver a progressão de cada indicativo, colhendo previsões para os próximos períodos e fazendo o planejamento em cima de números factíveis.

Por exemplo: o Instagram cresceu em 30% no número de seguidores, comparado aos últimos 3 meses.

Análise das Demonstrações Financeiras

Essa é uma análise das principais informações financeiras de uma empresa, como o balanço patrimonial, demonstração de resultados (lucros e perdas) e os fluxos de caixa — envolvendo despesas operacionais, de investimentos e financiamentos.

Análise de Liquidez

É uma avaliação para entender a capacidade da organização em cumprir com as obrigações financeiras de curto prazo. Isso envolve pagamento de fornecedores, contas básicas, aumento do estoque, necessidade de redução de custos, entre outros. Dessa forma, os principais indicadores analisados são:

  • Liquidez corrente;
  • Liquidez seca;
  • Liquidez imediata;
  • Liquidez geral.

Análise de Endividamento

Como o próprio nome diz, essa análise tem o objetivo de identificar se as dívidas da organização estão em um nível seguro e aceitável. Dessa forma, ela mede a proporção entre o capital próprio e de terceiros e os custos de operação que a empresa tem.

Análise de Rentabilidade

É a análise que mede o quanto a empresa pode ser rentável, ou seja, qual a sua capacidade de gerar lucro. Tudo isso a partir da relação entre investimento e recursos empregados. Alguns exemplos são o ROI (Retorno sobre o Investimento) e ROE (Retorno sobre o Patrimônio Líquido).

Análise do Ponto de Equilíbrio (Break-even)

Para que a empresa atinja o equilíbrio entre os ganhos e os custos, é realizada a análise de break even point. Neste caso, ela determina quantas vendas são necessárias para que a empresa tenha lucro ou prejuízo zero.

Análise de Eficiência Operacional

Seu objetivo é medir o quanto a empresa usa de forma eficiente seus recursos e ativos para gerar vendas e receitas. Essa análise garante investimentos com retornos sustentáveis. Dessa forma, alguns exemplos são: giro ativo, prazo médio de recebimento, tempo de produção, entre outros.

Análise de Fluxo de Caixa

O Fluxo de Caixa nada mais é do que o que entra e sai de dinheiro na sua empresa durante um determinado período. Com isso, a análise de fluxo de caixa consiste em acompanhar a situação financeira da organização e ter informações importantes para entender a disponibilidade e capacidade que o negócio tem para gerar caixa.

Análise de Cenários e Projeções

Essa análise tem relação com o futuro da organização. Nela, a partir de coleta de informações estruturadas e análise de contextos, a empresa consegue projetar uma ideia de futuro e projeções financeiras. Dessa forma, as tomadas de decisões podem se basear nessa perspectiva de resultado.

Como fazer uma Análise Financeira na empresa?

Mulher apontando para um gráfico em uma reunião na empresa.
Existem diversos métodos e princípios para realizar a análise financeira de acordo com os objetivos da empresa.

Como citamos, infelizmente não há uma fórmula pronta que forneça um molde exato e correto para a análise financeira das empresas. 

No entanto, alguns padrões costumam se repetir em diversos modelos de companhias, os quais podem ser tomados como base para que erros sejam evitados.

Dentre eles, destacamos dois indicadores econômicos que devem ser levados em conta na hora da tomada de decisão. Confira abaixo!

Reúna as informações financeiras

O primeiro passo é reunir todas as informações financeiras da empresa, o que inclui:

  • balanço patrimonial;
  • demonstração de resultados;
  • fluxo de caixa;
  • relatórios de auditorias;
  • notas explicativas;
  • relatórios gerenciais.

Todos esses itens citados acima servem para ter um maior controle financeiro e uma comparação ao longo do tempo.

Analise as demonstrações financeiras

Faça a análise vertical e horizontal que explicamos nos tópicos acima e veja a fonte de receita e gastos da empresa, e a evolução desses aspectos ao longo do tempo.

Calcule os índices financeiros

Com base nas análises, faça os cálculos dos índices financeiros, como o índice de liquidez corrente, índice de endividamento, ROE, ROI e mais. Esses resultados ajudam a entender a situação financeira da empresa.

Faça comparação com normas do setor

Compare com a concorrência e com o mercado para entender se a empresa está em um bom patamar ou precisa realizar mudanças urgentes. Isso ajuda a dar uma visão para investidores, por exemplo.

Analise as tendências e variações

É importante sempre avaliar o passado e pensar no futuro. Dessa forma, é possível entender o comportamento do negócio e prever tendências futuras, o que ajuda a tomar as melhores decisões.

Avalie o ponto de equilíbrio

O ponto de equilíbrio mede o quanto de vendas você precisa realizar para que as contas fiquem quitadas, sem lucro para o negócio. Assim você garante que as despesas não serão um problema para o futuro.

Analise o fluxo de caixa

O fluxo de caixa ajuda a entender a capacidade que o negócio tem de gerar dinheiro para honrar com suas dívidas e obrigações de curto prazo.

Faça projeções e cenários futuros

Não basta só analisar o que já passou, é importante pensar também no que está por vir. Para isso, use dados do histórico e demais informações relevantes para criar projeções planejadas e cenários futuros. Isso ajuda a criar um plano estratégico para a empresa.

Realize uma análise qualitativa

Considerar outras interferências, para além dos números, é essencial para entender o negócio. Portanto, leve em consideração os contextos, como a concorrência, os avanços tecnológicos, eventos importantes, sazonalidade, entre outros aspectos.

Faça relatórios e recomendações

Deixe toda a análise registrada em um relatório claro e objetivo. Além disso, realize recomendações baseadas no que foi encontrado para auxiliar diretores e gestores a tomarem decisões sempre considerando o lado financeiro da organização.

Qual a importância da análise das demonstrações para uma empresa?

3 pessoas reunidas fazendo contas e analisando gráficos.

Falar sobre análise financeira de uma empresa é tratar diretamente sobre um 

entendimento de sua situação econômica. 

É através deste estudo que a gestão adquire uma resposta exata sobre a efetividade de suas atividades, bem como sobre o possível cenário futuro dessa empresa.

Segundo uma matéria publicada na CNN Brasil, apenas em 2020, mais de 600 mil micro empresas já fecharam suas portas durante a crise. Esse número se torna ainda mais representativo quando nos damos conta de que o encerramento de atividades está diretamente ligado à ausência de uma reserva financeira para emergências.

Em outras palavras, companhias que não possuem plena ciência de sua situação econômica, não possuem o planejamento financeiro adequado para lidar com tempos de queda

Portanto, raramente conseguem se manter de pé em momentos de recessão e crises inesperadas.

Em vista disso, fica evidente que a importância das análises é grande não apenas para evitar prejuízos, mas para garantir uma fluência das atividades de trabalho a longo prazo.

Análise financeira como precaução para a crise: como se preparar para tempos difíceis

Segundo o economista britânico Sam Wilkin (autor do livro Wealth Secrets of the One Percent), em entrevista para a BBC, nos anos 60 apenas 1% das empresas obtiam lucros considerados grandes. Atualmente, esse número chega aos 14%, representando um crescimento altíssimo na obtenção de capital para os empreendedores.

Nesse cenário, é inexorável que a economia mundial apresenta uma perspectiva de constante crescimento, mesmo frente à crise. No entanto, para que a curva de ascensão continue favorável é necessário não apenas investir em produção e vendas, mas na organização dos lucros e também na preservação da renda.

Ao passo que o capital de giro é um fator primordial para a manutenção das atividades durante tempos de queda de demanda, é preciso trabalhar em investigações exatas, eficazes e efetivas para o cálculo do valor rotativo. Apenas desse modo torna-se possível manter as injeções financeiras durante as baixas e linhas da empresa em funcionamento.

Além disso, desde os anos 60 e 70, quando a metodologia Lean dava seus primeiros passos em expansão pelo Japão, a evidência de que o controle de estoque é essencial para a saúde da empresa veio à tona. 

Produtos parados e com baixo poder de comercialização representam capital morto, podendo evoluir para prejuízos futuros. Diminuí-lo é o primeiro passo para tornar a companhia saudável e aumentar sua liberdade de atuação.

Nesse cenário, a análise das demonstrações financeiras se mostra uma tarefa ainda mais necessária para descobrir o potencial da organização frente às suas possibilidades de lucro.

Sendo assim, é preciso investir em profissionais qualificados e atualizados dentro das tendências do mercado, visando um planejamento adequado para todos os setores da companhia e que mostrem em seus relatórios, quais caminhos que a empresa deve seguir para manter o seu crescimento.

Desse modo, se você deseja saber mais sobre análise financeira e outros temas cabíveis ao mundo corporativo, continue acompanhando o nosso blog.

Por aqui manteremos você atualizado e com o conhecimento necessário para seguir no caminho do sucesso junto com a sua empresa! 

Compartilhe esse post

Copiar Link
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no Facebook
Gente e gestão

Equipe iFood Benefícios

3 de Maio de 2024

Leitura de 11 min